Ordem dos Cidadãos: DAR A VEZ À CIDADANIA!

DAR A VEZ À CIDADANIA!

*Texto de Dra. Isabel Potier, Presidente da Ordem dos Cidadãos

Há dias, a Sofia Merlini, contactou-me e, enaltecendo o trabalho da Ordem dos Cidadãos, associação sem fins lucrativos e apartidária que fundei com a ajuda de uma querida colega, que co-viabilizou o nascimento deste “bebé”, pediu-me para passar a escrever, se assim se justificar para este blogue.

Sensibilizou-me a sua situação, e fui-me apercebendo de que temos imensos pontos em comum: uma pretensão autêntica de trabalharmos a autoestima pessoal e coletiva/ nacional; um percurso por várias paragens- como sou mais velha, andei por mais sítios e abracei mais desafios profissionais transportando um legado variado e encorpado que pode ser partilhado com outros.

A acrescentar a isto, ambas experienciámos, cada uma à sua maneira, o assédio de uma sociedade e de um Estado que, em vez de acarinhar a difícil e exigente tarefa da maternidade, faz ouvidos moucos e mantém-se emaranhado numa rede de burocracia e de leis que se anulam umas às outras, com um propósito bem definido: desrespeitar e dificultar a vida a todas as pessoas, no geral, e em particular àquelas que, de algum modo, passam momentos de fragilidades.

E foi por isto que nasceu a Ordem dos Cidadãos, capacitar e “profissionalizar” a Cidadania, o que nos leva a querer saber mais, agir mais e tornarmo-nos co-responsáveis no desenvolvimento do país.

Tudo isto passa por maior literacia em todos os domínios do desenvolvimento humano …tudo!
A Ordem dos Cidadãos nasceu por isso para proteger capacitando todos os cidadãos.

São muitas as nossas actividades (formamos em escolas, em centros de dia, em universidades seniores, cadeias, colaboramos, através de mails e acções, juntos dos grupos parlamentares, propomos e trabalhamos várias competências que todos temos, procurando incluir desempregados.

Aos que se assustam com a designação de Ordem, explicamos que sem ordem, existe o caos e o caminho certo para a exploração dos mais fragilizados – vejam o quão precários são os trabalhos, o tanto que está explorado o valor do trabalho, a total ausência de vida familiar, fruto de cada vez maior “jorna laboral” e da precarização.

A quem nos critica por termos um nome preconceituoso, por não designar as cidadãs, relembramos que a associação foi criada por mulheres e que estimamos um dos símbolos da Pátria, a língua portuguesa e o plural de cidadã e cidadão…!

Contamos com todos vós para nos ajudarem nestes propósitos e serão muitas as propostas que vos iremos apresentar.

Até breve e espreitem o nosso site, facebook e instagram.

Isabel Potier

04 de Novembro de 2017

“Os que vivem sem amor são pesados para si mesmos;
os que amam carregam-se mutuamente.”


Santo Agostinho

http://ordemdoscidadaos.weebly.com/
https://www.facebook.com/ordemdoscidadaos/
https://www.instagram.com/ordemdoscidadaos/?hl=PT

Deixar uma resposta