Nazaré: Onde todos os dias são diferentes e especiais

Quem acompanha o blogue sabe que é na Nazaré que me sinto plenamente feliz. Noutros textos já falei da Talassoterapia, dos hotéis, da atrações turísticas mais conhecidas.

Ontem comecei o dia no Mercado Municipal da Nazaré. Precisava de pão, legumes, frutas e flores.
Fiquei encantada com Eulália Petinga. Sempre vendeu peixe mas a vida trocou-lhe as voltas e há quatro anos que vende pão, na famosa banca dos pastéis de nata do mercado.

Eulália Petinga, Mercado Municipal da Nazaré, Banca dos Pastéis de Nata e Pão

Conheci a sua neta, a sua filha e elogiei a sua simpatia, a boa disposição e o seu traje. Confessou-me que não se achava simpática mas a verdade é que eu fiquei fascinada com esta maravilhosa senhora, com muito carisma.
Os pastéis de nata já tinham esgotado mas o pão caseiro é mesmo muito bom.
Eulália Petinga tornou, sem dúvida, o meu dia ainda mais feliz.

A bater a hora do almoço, o cheiro a mar estava intenso e só me apetecia marisco. Uma hora de espera não me surpreendeu pois sabia que valeria a pena. Na Aki-D’el-Mar Marisqueira aguardar o tempo que for necessário compensa sempre.

Uma deliciosa santola (pois é agora a época deste caranguejo), uma salada de búzios e umas frescas ameijoas à bolhão pato foram a escolha. Tudo muito fresco, tudo saboroso e o preço é também um forte aliciante. Ainda quis comprar os pratos mas, infelizmente, não vendiam. Fica a imagem.

Aki-D’el-Mar Marisqueira, Nazaré

Nunca dispenso as caminhadas pela praia, seja verão ou inverno, faça frio ou sol. Desta vez não foi excepção. É aqui que recarrego baterias. É aqui que sou sempre muito feliz.

Praia da Nazaré, Blogue “Passei e Gostei!”
Praia da Nazaré, Blogue “Passei e Gostei!”

Queria muito levar um pouco daquele mar para dentro da da minha casa e, por isso, fui à Casa Alcôa Artesanato. Sabia que as peças criadas por Luís e Sylviana têm essa capacidade, essa magia.

Na sua página do facebook, este casal explica que, em dinâmico funcionamento, na Nazaré – há cerca de 30 anos – no enorme espaço de uma antiga tipografia, a Casa Alcôa começou por vender artesanato tradicional português, tendo vindo a mudar, por uma necessidade natural, para o artesanato moderno, de produção maioritariamente própria e inspirado na Natureza e na expressão humana.

Luís tinha acabado de criar estas gaivotas com barro, cola, tinta, conchas de mexilhão, arame e muito talento. Fiquei encantada e trouxe-as comigo. Agora são as minhas companheiras de sonhos, da minha paz, da minha serenidade.

Casa Alcôa Artesanato, Praça Sousa Oliveira, nº 30, Nazaré
Casa Alcôa Artesanato, Praça Sousa Oliveira, nº 30, Nazaré

Os azulejos pintados por Sylviana eram, exatamente, as obras que estavam destinadas a trazer energia boa para o corredor da minha nova casa. Se pudesse escolhia todos mas estes escolheram-me a mim.


Casa Alcôa Artesanato, Praça Sousa Oliveira, nº 30, Nazaré

Casa Alcôa Artesanato, Praça Sousa Oliveira, nº 30, Nazaré

Casa Alcôa Artesanato, Praça Sousa Oliveira, nº 30, Nazaré

Obrigada Luís, por me incentivar a explorar a minha veia artística. Os minutos que passámos a conversar deram-me inspiração para muitos anos. E é exatamente assim que concebo um dia verdadeiramente feliz.
“Passei e Gostei!” e sei que vou gostar sempre da “minha” Nazaré.

Deixar uma resposta